Toda lenda tem um começo e com a Harley-Davidson, esse início aconteceu na cidade de Milwaukee no estado de Wisconsin, em 1903, dentro de um barracão onde os amigos Arthur Davidson e William S. Harley fundaram a companhia “Harley-Davidson Motor Company”, com o intuito de construírem motocicletas de competição.

Em um primeiro momento em 1903, a dupla ajudada pelos irmãos de Arthur, Walter e Willian, montaram 3 motocicletas que foram negociadas em amigos dos fundadores e por uma concessionária localizada em Chicago.

E assim de forma gradual e como um hobby, caro por sinal, Arthur, Walter e Willian Davidson e Willian Harley, mantiveram sua pequena fabriqueta de motocicletas de competição, naquela época eles não tinham nem ideia da proporção que a Harley tomaria.

Em 1905, uma motocicleta produzida pela companhia Harley Davidson conseguiu vencer um importante torneio e isso foi o ponto crucial para o sucesso da marca pelos anos que seguiram. Já em 1906 a HD trocou de espaça de produção, saiu do barracão e se mudou para um galpão muito maior, onde era possível produzir mais motos e ter mais funcionários.

O crescimento da Harley Davidson, foi assustador para os padrões de época e são impressionantes até hoje, em menos de 10 anos de existência a Marca já produzia motos em escala industrial, fechou parceria com a polícia de Detroit que perdura até hoje e com o advento da Primeira Guerra Mundial, somente para o exército Americano foram vendidas mais de 20.000 unidades.

Em 1920 a CIA HD já havia se estabelecido em 67 países e passou a ser a maior montadora de motociclistas do mundo.

Assim como aconteceu na Primeira Guerra, Entre 1941 e 1945, período que durou a Segunda Guerra Mundial, HD, forneceu ao exército Americano e seus aliados um número astronômico de unidades, cerca de 100.000 motos.

Em novembro de 1945, com o fim da guerra, foi retomada a produção de motocicletas para uso civil.  Dois anos depois, para atender a demanda crescente de motocicletas, a empresa adquire sua segunda fábrica – a planta de Capitol Drive -, em Wauwatosa, também no estado de Wisconsin. Em 1952, foi lançado o modelo Hydra-Glide, a primeira motocicleta da marca batizada com um nome – e não com números, como acontecia até então.

Em comemoração aos primeiros 50 anos da marca Americana, a Harley criou um novo logo que representa o maior motor em V produzido até o aquele momento e com o fechamento da Indian, a montadora passou a ser a única fabricante de motos nos EUA por quase 5 décadas.

 

Personalidades com Elvis Presley e James Dean esbanjavam estilo com suas Harley’s pelas ruas e estradas norte Americanas, o que fez da Marca objeto de desejo no mundo todo.

Ainda com o objetivo de expandir, em meados de 1965, a CIA Harley Davidson, abriu seu capital na bolsa de Valores e com isso o controle familiar foi perdido e passado para os acionistas.

Nossa anos que seguiram, a montadora passou por grandes polemicas, como o pedido ao governo norte americano para sobretaxar as motos estrangeiras acima de 700 cilindradas, por causa da invasão japonesa de motos no cenário e 5 anos depois pedir ao governo que retirasse a sobretaxa, a criação do Harley Owners Group (H.O.G.) que atualmente conta com quase um milhão de associados e a retomada do poder acionário pela sua diretoria da empresa AMF, que era a maior detentora das ações da Harley.

E foi em 1983, que a Harley-Davidson passou pelo seu pior momento e quase fechou as suas portas. Porém, como dizem alguns especialistas é na crise que se cresce e surgem as melhores ideias e foi com essa máxima que a Montadora se reinventou com estratégias voltadas para uma nova percepção das pessoas sobre Harley, mas, não como uma marca de motos e sim como um estilo de vida, criando assim comunidades em tordo do que esse estilo poderia proporcionar.

A disseminação dessa ideia de estilo de vida em torno de uma Harley Davidson é até hoje uma das melhores estratégias de marketing que CIA já criou, afinal, quando se fala de Harley, sempre vem a cabeça de qualquer pessoa um motociclista de colete, com tatuagens, barba, calça jeans e botas não é mesmo? Esse conceito foi exatamente o que salvou a Montadora Norte Americana da Falência.

É claro que, além do que se espera de um usuário da marca, a montadora também criou novas motos icônicas e que também foram responsáveis pelo grande sucesso da Marca, como a Lendária FAT BOY, a linha Dyna e as motos Cruser’s (motos voltadas para viagens longas) e da linha de roupas e acessórios HD que é hoje responsável por quase 40% de faturamento da Montadora.